Alimentação Natural para Cães e Gatos

Em 1993, a American Society of Mammalogists designou oficialmente o cão e o lobo como da mesma espécie, Canis lupus. O gato doméstico, Felis catus, está classificado como fazendo parte da família dos mamíferos predadores e carnívoros a que pertence o leão, o tigre, o puma, o leopardo, o lince e outros. Ou seja, são classificados como carnívoros.

Os carnívoros evoluíram para retirar os nutrientes necessários para sua sobrevivência de corpos de outros animais, ou seja músculos, ossos, vísceras, e tudo isso crú. A presa inteira fornece todos os nutrientes necessários para uma vida saudável, não sendo preciso suplementos vitamínicos, óleos ou outros.

Os alimentos cozidos sofrem alterações que não permitem o mesmo aproveitamento que um alimento crú. No alimento cozido podemos citar modificações em proteínas, vitaminas e minerais, gorduras trans, ausência de enzimas e antioxidantes. Também a biodisponibilidade (possibilidade de aproveitamento do alimento) de proteínas/aminoácidos desses alimentos é discutível após o cozimento.

O que esperar adotando um alimentação mais natural?

  1. Eliminação de odores fortes, redução nas secreções de olhos e ouvidos

  2. Dentes naturalmente limpos – não há formação de tártaro, não há problemas em gengivas ou mau hálito

  3. O tempo que o cão demora para mastigar dá ao estômago tempo adequado para liberação dos ácidos para digestão

  4. Diminuição no volume de fezes e odor

  5. Maior resistência às doenças e aos parasitas, os cães se tornam mais saudáveis

  6. Aumento da fertilidade e proles mais saudáveis

  7. Espelha o que o animal estaria comendo na natureza – e certamente mesmo o cão de hoje possui o trato digestivo igual ao do lobo

  8. Filhotes se desenvolvem no ritmo apropriado e melhor

  9. O animal emagrece, trocando gordura por músculo

  10. Redução em alergias e artrites

  11. Uma infância e uma velhice mais saudável.

“O médico do futuro não receitará medicamentos, mas procurará, antes, interessar os seus pacientes em cuidar da estrutura do seu corpo, da sua dieta e das causas da doença.” – Thomas Edison

ALGUNS CASOS:

Cão SRD, doze anos, andar duro, não saltava mais, cheiro desagradável, precisava de banho a cada 15 dias. Após duas semanas com a nova alimentação corria, pulava, olhos mais brilhantes e mais alegre. Não toma banho há um ano e meio, apenas escovação.

Duas cadelas, uma mestiça labrador a outra SRD. Diarréias são freqüentes, fezes pastosas, a mestiça apresentava alergia em abdômen e membros posteriores. No início não aceitaram bem a alimentação crua, o alimento era passado rapidamente em frigideira sem óleo. Após uma semana aceitavam bem o alimento, ficaram muito mais brincalhonas, o pelo tornou-se brilhante, a quantidade de fezes diminuiu muito, cessaram diarréia e as fezes pastosas. Em momento que não foi possível oferecer AN (viagem), no prazo de uma semana, a alergia retornou.

O cãozinho costumava comer fezes de gato. Após 10 dias com alimentação natural não se interessava mais.